A Digital Globe, gigante do sensoriamento remoto anda inovando.

Apenas neste ano, vimos surgir sua própia Maps API, que permite ao desenvolvedor a criar aplicativos usando imagens diretamente da Digital Globe.

Logo depois, surgiu o [GBDX] uma plataforma em nuvem para execução de algoritmos a serem aplicados a enorme biblioteca de imagens da empresa.

Agora, mais uma, usando esse conjunto citado acima. O lançamento é do aplicativo Penny.

O Penny é uma IA (inteligência artificial) criada para detectar e prever riqueza. Mas como isto é possível?

Analisando e cruzando dados de satélite com dados do censo americano, é possível treinar uma rede neural ou qualquer algoritmo de machine learning que se queira para estimar a probabilidade de uma área ser rica ou pobre, baseado nos dados do entorno.

Os passos básicos são:

  1. Adquirir dados do Censo;
  2. Comparação entre os dados vetoriais com os dados de imagens;
  3. Treinamento de uma rede neural, cruzando feições com as informações do censo sobre renda;

Exemplo (e um chute):

  1. No bairro X existem dois shoppings e a renda é mais alta;
  2. No bairro Y existem mais estacionamentos e a renda é média;
  3. No bairro Z existem mais parques e a renda é baixa;
  4. No bairro X1 existem mais árvores e a renda é mais alta;

A partir de algumas premissas e identificação de feições chave, foi possível cruzar e prever quais tipos de construções/pólos aumentam o valor da renda em determinado lugar.

Isto não quer dizer que as pessoas ficam mais ricas, apenas que pessoas mais ricas frequentam aquele lugar.

Claro que isto é um experimento. A Digital Globe ainda permite que você altere o mapa, colocando partes de outras imagens no local onde você está. Por exemplo, é possível "gentrificar" ou "aumentar o valor da renda" de uma área, colocando mais árvores ou prédios de luxo, como o Empire State Building.

É uma aplicação interessante que mostra para nós como vai ser o futuro do sensoriamento remoto.